RIBEIRA GRANDE

 

Divino Espírito Santo

 

O Sistema das Domingas aplica-se a todo o Concelho da Ribeira Grande, exceto ao caso da freguesia de Rabo de Peixe. Aqui podemos falar de um Ciclo do Espírito Santo bastante sui generis.

Tal Ciclo estende-se da dia de Páscoa até ao dia de São Pedro.

As festividades em honra do Divino Espírito Santo são três: Bandeiras, Coroas e Despensas.

As Bandeiras, em número de duas, a da Beneficência e a da Caridade, gigantescas organizações, apresentam como únicas insígnias do Divino bandeiras.

Têm os seus momentos fortes no dia do abate dos gueixos [Sexta-feira], no dia da distribuição das pensões aos irmãos [Sábado] e no dia da Festa realizada na igreja paroquial [Domingo], coincidindo tais momentos, para a Beneficência, com o Pentecostes e, para a Caridade, com a Santíssima Trindade.

As Coroas, em número de seis, festividades médias, com insígnias semelhantes aos Impérios do Sistema das Domingas [bandeira, coroas, ceptros], estendem-se ao longo do Ciclo.

A sua função passa pela coroação, armação de impérios, com forte sentido de dádiva, mas sem contra-dádiva.

Há um calendário muito próprio entre a coroação e a armação do império.

Por fim, as Despensas, festividades, muitas vezes, confundidas unicamente com os ‘balhos dos pescadores’, coincidem na sua função, nitidamente com forte espírito de partilha que do Divino Espírito emana. Há abate de gueixo com repartição juntos dos elementos da Despensa e refeições comunitárias. No Pentecostes realizam-se as dos ‘homens do mar’, na Santíssima Trindade as dos ‘homens da terra’.

Curiosamente, as festividades fecham, no dia 29 de Junho, com umas peculiares Cavalhadas de São Pedro.